top of page

PRINCÍPIOS CONSAGRADOS DE DELEGAÇÃO


Por Sandra Regina da Luz Inácio



Os princípios da delegação se apresentam com diferentes abordagens, que podem ser justificadas em função da cultura do país, e também da cultura organizacional. Para NEWMAN (1981), os princípios consagrados de delegação

eficaz são:

1. Não se pode delegar responsabilidade

Não é difícil encontrar gerentes que acreditam que após delegar certas atribuições aos seus subordinados não tem mais nenhuma responsabilidade com o processo de execução. Considerando o problema por outro ângulo, o subordinado pode pensar que uma vez que o seu superior lhe passou as atribuições não tem mais nada a ver com o caso.

Essa maneira ilusória de pensar deixa embaralhados dois tipos distintos de delegação, isto é, a que o gerente delega ao supervisor e que o supervisor delega ao seu subordinado. Acontece que a subdelegação praticada pelo supervisor não

isenta sua obrigação para com o gerente. O supervisor continua com a mesma autoridade, embora não seja ele quem vai executar as tarefas, ele continua sendo o responsável pelos resultados finais.


2. Evitar a dupla subordinação

Ninguém pode servir bem a dois senhores. Este princípio é perfeitamente reconhecido pelas empresas, cada subordinado deveria receber ordens de um único supervisor. Mas na prática, normalmente, isto não acontece e o subordinado termina recebendo ordens de mais de um superior. Isto deixa o indivíduo um tanto confuso, procurando atender aqueles que lhe dão ordens, mas sem saber exatamente quem é seu verdadeiro chefe.


3. Autoridade deve ser equivalente à responsabilidade

O princípio de que a “autoridade e a responsabilidade devem ser equivalentes” é muito bem reconhecido pelas empresas. Admite, de um lado, não ser justo responsabilizar uma pessoa pelos resultados de atividades que não pode orientar de acordo com seu próprio critério e reconhece, por outro lado, que quando se dá a alguém considerável liberdade de ação, implica em torna-lo responsável pelo emprego que der a essa permissão.


4. Princípios da delegação LOEN (1987)

O importante para a empresa é o resultado final. Portanto, o administrador deve procurar exigir dos seus subordinados os resultados esperados, muito mais do que os métodos que serão usados, desde que estes métodos sejam legais e não

infrinjam a política da empresa.

É sempre importante que o administrador tenha um caminho a seguir, as diretrizes seguintes vão facilitar um desejável trabalho de delegação.


a) Execute seu plano de organização.

Após o desenvolvimento da estrutura da organização onde foi conceituada a forma

de delegação em termos de deveres, responsabilidades e autoridade para cada

posição, em seguida deverá fazer as atribuições e conseguir informações através

do seu plano de organização. Isto é importante para que os componentes do

grupo fiquem cientes das suas atribuições.


b) Evite tomar decisões rotineiras.

É muito comum o administrador tomar decisões rotineiras, mesmo dizendo que

não vai tomá-las. Isto ocorre naturalmente porque, para o subordinado pode ser

muito difícil o que para o administrador é simples demais. Porém isto não pode

acontecer dessa forma o administrador poderá ficar sobrecarregado com

problemas banais. É preciso que haja uma política de procedimentos definidos e

seja informado ao seu pessoal de maneira que não fique nenhuma dúvida.


c) Obtenha sugestões de seus subordinados.

“O que você sugere? ” Esta é uma pergunta que todo administrador deveria fazer,

para melhor realizar um trabalho de delegação. Mas nem todos fazem esta

pergunta talvez porque queiram se fazer necessário, ou porque queiram resolver

todos os problemas e até mesmo porque queiram que os subordinados dependam

sempre do seu apoio.


d) Faça com que seus subordinados participem de reuniões

Esta é a maneira mais adequada de projetar o seu substituto e proporcionar aos

seus subordinados o seu relacionamento com o superior. Se você deseja

promover os seus subordinados, procure envolve-los nas áreas de interesse do

seu superior.


e) Evite delegar em excesso

Quando se trata de delegação não é bom partir para o tudo ou nada, é preciso

tempo, treinamento e acompanhamento. Há sempre uma fase crítica, na qual o

indivíduo precisa de apoio para se adaptar, e o acompanhamento pode evitar

resultados indesejáveis.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LOEN, Raymond O. Administração eficaz. 5. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores,

1980.

NEWMAN, W.H. Ação Administrativa. 4ª Ed. São Paulo: Atlas, 1981.

Opmerkingen


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page